CURSO ONLINE DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO

O que o Google não entende sobre empreender

por Francisco Santolo
Abril 2018

Realmente, admiro à Google como empresa e também, as iniciativas que leva adiante no círculo empreendedor como Google Ventures, Google Launchpad, Google for Entrepreneurs, sua visão 10X da inovação e da desarticulação ou da sua metodologia Sprint – inspirada nas contribuições do Steve Blank e de outros autores que não têm, na minha opinião, o devido reconhecimento pela valiosa contribuição à literatura de negócios que fizeram – , entre muitas outras incríveis iniciativas.

Existem muitas definições que procuram explicar o que é empreender. E, entre elas, está a definição que joga Google Search, fonte de extrema confiança, líder absoluta em encontrar sentido às coisas, mas que aqui se engana.

Google: [Empreender é] “a atividade de criar um negócio ou negócios, assumindo riscos financeiros com a esperança de obter benefícios”.

Mais uma vez, caímos na mesma armadilha. A mesma que os intermediários financeiros – que realmente se beneficiam sem risco – instalaram para que todo mundo jogue no ecossistema tradicional “levantar dinheiro, aumentar o indicador definido de escalabilidade, aumentar os gastos, levantar de novo, e aproveitar para cobrar novos fees”.

Empreender não consiste em assumir riscos financeiros. O empreendimento moderno consiste em reduzir o risco, inclusive em encontrar maneiras de eliminar o risco econômico e financeiro, - as têm para todas as indústrias -. Empreender é elaborar hipóteses, experimentá-las, centrar-se na aprendizagem por sobre a pressa de obter ganhos, descobrir os verdadeiros problemas dos clientes e as soluções que podem aliviá-los, reduzir os custos fixos, terceirizar, cobrar antes de produzir, trabalhar com o funil de clientes para gerar uma folha de rota de vendas previsível e rentável. Empreender é procurar um modelo de negócio repetível e escalável.

Permitam-me compartilhar duas definições de verdadeiros espertos que admiro, e que influíram na história do verdadeiro espírito empreendedor:

A de Howard Stevenson (HBS) que explica que o empreendimento é a procura de oportunidades além dos recursos controlados no seu artigo “O espírito empreendedor: Uma definição de trabalho”.

E a minha favorita, do pai do empreendimento moderno, Steve Blank (Stanford, Berkeley, Columbia) que afirma que uma Startup é uma organização temporal formada para procurar um modelo de negócio repetível e escalável. Podem aprofundar sobre esta acepção no seu artigo “Que é um início? Primeiros Princípios”.

Sr. Google, realmente admiro o seu trabalho em inovação e seus avanços na geração de empreendimentos. Espero que não me leve a mal, pense neste artigo como uma contribuição ao conhecimento das Startups, com o seu motor de pesquisa – o início de tantas coisas – como ponto de partida.

Bem-vindo a este maravilhoso mundo dos empreendimentos, que agora está sob o controle dos intermediários financeiros, mas que pronto será uma atividade universal para que o mundo todo explore e siga o seu propósito e a sua paixão, independentemente dos recursos controlados, e independentemente dos recursos que outros controlam!

Outros artigos de Francisco Santolo